Get Adobe Flash player
Atendimento Online
Sistema de Ensino à Distância
Nossos Projetos
Home Notícias Porque o adulto deve aprender informática?

Devemos ter cautela quando fazemos uso desta ferramenta chamada internet. A Internet, que foi criada com intuito militar nos EUA já faz parte da vida da maioria das pessoas.

Nenhum outro meio de comunicação alcançou tantas pessoas como a internet. Crianças, jovens, adultos e idosos aprenderam os benefícios do meio e não abrem mão de tê-los em suas vidas. A praticidade e variedade de serviços são incontestáveis.

Efetuar compras dos mais diversos produtos, consultas de documentos e pesquisas escolares, procurar por pessoas e fazer uso de ferramentas de comunicação estão entre os serviços que a internet oferece.

Porém, junto com todas essas variedades de serviços, veio também o perigo, que pode estar agindo dentro da sua casa, no outro lado do monitor.

 

A ação de pedófilos e o estímulo ao comportamento violento são as principais ameaças a quem se descuida e deixa-se levar pelas armadilhas do mundo virtual. Os crimes cometidos na Internet são os mesmos que acontecem fora do mundo virtual, tanto que os tipos penais e punições são os mesmos.  Casos de estelionato, injúria e calúnia, roubo de identidade, furto mediante fraude, além dos casos de pedofilia, são os que mais acontecem. A Internet oferece inúmeros recursos e oportunidades para aprender, mas também contém uma grande quantidade de informações que pode não ser nem útil nem confiável. Como qualquer um pode publicar comentários ou informações na Internet, os usuários precisam desenvolver algumas habilidades de pensamento crítico, para julgar a veracidade das informações disponíveis online.Isso é particularmente verdadeiro para crianças que tendem a acreditar que “se está na Internet, deve ser verdade”. Tradicionalmente, os recursos impressos sempre tiveram seus meios de proteção — como editores, revisores ou verificadores de fatos — para eliminar erros, mentiras e informações pouco precisas. Entretanto, em muitos casos, a Internet não possui esses meios de proteção para verificar a validade das informações publicadas online. Por isso, é preciso estar sempre atento e verificar em outros recursos de informação a veracidade do conteúdo publicado na Internet.

Relacionamos abaixo, os principais perigos encontrados na "Grande Rede Mundial":

Cyberbullying - O levantamento foi feito entre 2.159 alunos na faixa etária de 10 a 17 anos e incluiu 732 educadores do país. Um dos dados que chamam atenção do estudo, realizado no segundo semestre do ano passado, é a prática do cyberbullying ou intimidação virtual, considerado um dos maiores riscos para os jovens brasileiros conectados à rede. Os educadores dizem que 26% deles já souberam de casos envolvendo a prática entre os alunos de sua escola; 99% consideram que a instituição de ensino tem compromisso com a discussão das medidas de segurança on-line; e 67% acreditam que o tema merece trabalhos urgentes de orientação. (Portal uai)

Mas o que é bullying?

Bullying[1] é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência  física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully ou "valentão") ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.

Acontece através de e-mails, torpedos, Blogs, Fotoblogs, Orkut, MSN. De forma anônima, o autor insulta, espalha rumores e boatos cruéis sobre os colegas e seus familiares, até mesmo sobre os profissionais da escola. Mensagens instantâneas são disparadas, via Internet ou celular, onde o autor se faz passar por outro, adotando nicknames semelhantes, para dizer coisas desagradáveis ou para disseminar intrigas e fofocas. Blogs são criados para azucrinar e o Orkut é utilizado para excluir e expor os colegas de forma vexatória. Fotografias são tiradas, com ou sem o consentimento das vítimas, sendo alteradas, através de montagens constrangedoras, incluindo ofensas, piadinhas, comentários sexistas ou racistas. Essas imagens, muitas vezes, são divulgadas em sites, colocadas em newsgroups e até nas redes de serviços, ou divulgadas através de materiais impressos espalhadas nos corredores, banheiros, ou circulam entre os alunos, sem o conhecimento das vítimas. Quando descobre, seu nome e imagem já estão em rede mundial, sendo muito difícil sair ilesa da situação. Há casos em que a vítima tem o seu E-mail invadido pelo agressor, que se fazendo passar por ela, envia mensagens, com conteúdos difamatórios, com gravíssimas conseqüências para a vítima e seus familiares. A participação em fóruns e livros de visitas também são estratégias utilizadas pelos praticantes, deixando mensagens negativas sobre o assunto em questão ou opinando de maneira inconveniente.Votações são realizadas através de sites, para escolher ou eleger colegas com características estereotipadas.

Sexting - Baseados nas amostras, os pesquisadores descobriram que pelo menos 15% dos adolescentes de ambos os sexos admitem já ter recebido pelo celular uma imagem com sugestão erótica de alguém que conhecem. Em compensação, apenas 4% admitem ter enviado esse tipo de mensagem.

As situações típicas em que ocorre o envio das fotos sensuais se dividem em três tipos: 1) troca entre namorados ou adolescentes com relacionamentos afins; 2) troca entre adolescentes que não estão envolvidos, mas em que uma parte tem interesse na outra; e 3) envio das imagens trocadas com o namorado(a) para terceiros. (O Globo) O que é sexting?Sexting (contração de sex e texting) é um anglicismo que refere-se a divulgação de conteúdos eróticos e sensuais através de telemóveis. Iniciou-se através das mensagens SMS  de natureza sexual e com o avanço tecnológico tem-se aumentado o envio de fotografias e vídeo, aos quais aplica-se o mesmo termo, mesmo que texting  se refira originalmente em inglês mensagens enviadas como texto. É uma prática cada vez mais comum entre jovens e adolescentes.[1][2]

Pedofilia – Em 01/12/2009 um rapaz de 26 anos foi preso no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, acusado de pedofilia na Internet. Ele chegou a oferecer R$ 500 para uma mulher de 30 anos, funcionária pública de Francisco Morato, na Grande São Paulo, para ter relações sexuais com a filha dela, de apenas 8 anos. O acusado também aventou a possibilidade de fazer sexo com a mãe da criança. (O Globo)

Um relatório apresentado ao Conselho dos direitos humanos da ONU, esta quarta-feira (17/09/2009), revela que 750 mil predadores sexuais estão permanentemente ligados à Internet em busca de menores, escreve uma agência Lusa.

Najat M`jid Maala, consultora especial da ONU, para a venda de crianças, prostituição e pornografia infantil alerta no seu relatório anual: «À escala mundial os sites pornográficos que exploram as crianças multiplicam-se. (…) Haverá “mais de 750.000 predadores ligados à Internet em permanência».Também a Unicef calcula que, neste momento, existam mais de quatro milhões de sites na Internet que apresentam fotos de jovens menores, incluindo crianças com menos de dois anos.(site  TVI 24, de Portugal)

 

O que é pedofilia?

A pedofilia (também chamada de paedophilia erotica ou pedosexualidade) é a perversão sexual,[1] na qual a atração sexual de um indivíduo adulto  ou adolescente está dirigida primariamente para crianças pré-púberes[2][3] (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou para crianças em puberdade precoce.[4]  A palavra pedofilia vem do grego παιδοφιλια (paidophilia) onde παις (pais, "criança") e φιλια (philia, "amizade", "afinidade", "amor", "afeição", "atração", "atração ou afinidade patológica" ou "tendência patológica", segundo o Dicionário Aurélio).

A pedofilia é classificada como uma desordem mental e de personalidade do adulto, e também como um desvio sexual, pela Organização Mundial de Saúde.[6] Os atos sexuais entre adultos e crianças abaixo da idade de consentimento (resultantes em coito ou não) é um crime na legislação de inúmeros países. Em alguns países, o assédio sexual a tais crianças, por meio da Internet, também constitui crime. Outras práticas correlatas, como divulgar a pornografia infantil ou fazer sua apologia, também configuram atos ilícitos classificados por muitos países como crime. O comportamento pedófilo é mais comum no sexo masculino[carece de fontes?].A Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, aprovada em 1989 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, define que os países signatários devem tomar "todas as medidas legislativas, administrativas, sociais e educativas" adequadas à proteção da criança, inclusive no que se refere à violência sexual (artigo 19)

Sexo e pornografia – Você sabe o que seus filhos buscam na internet? Uma pesquisa da Symantec, companhia especializada em segurança de computadores, descobriu. Entre fevereiro de 2008 e julho de 2009, a empresa rastreou 3,5 milhões de buscas feitas pelo serviço OnlineFamily.Norton, que monitora o uso de internet de crianças e adolescentes, disponível apenas em inglês (mas aberto a pessoas de todos os países).Essa pesquisa verificou que o termo campeão de buscas é Youtube, seguido de eBay, Facebook, MySpace, (...). Mas redes sociais e música não são os únicos populares. Sexo ocupa a quarta posição, enquanto que a palavra “pornô”, a sexta.Em comunicado oficial da Symantec, Marian Merrit, advogada da Symantec, acredita que isso mostra o quanto as crianças e adolescentes querem falar mais com seus pais não apenas sobre assuntos “sérios”, mas também sobre o seu dia a dia. “Isso mostra que é preciso conversar mais com os filhos sobre comportamento apropriado na internet”, afirma. Para começar, o primeiro passo é você também se familiarizar com esse universo virtual e colocar-se sempre à disposição caso as crianças tenham alguma dúvida ou receberem conteúdo impróprio. E saiba que proibir não educa e nem previne nada. (Fonte: Crescer)

Todas as informações acima foram retiradas do site:

http://diganaoaerotizacaoinfantil.wordpress.com.

 
Banner